Notícias



Busca

Pesquisa personalizada





Usina de Soluções Tecnologia da Informação

 

 

História da Família Dias

 

 

 

DIAS/DIAZ: Nome português de origem patronímica, filho de Diogo. Em espanhol, Diaz (filho de Diego).
Um dos primeiros ancestrais desta família foi Mumadona Dias (c. 900 - 968), condessa de Portugal no século X durante o primeiro condado Portucalense.
Mumadona era filha do conde Diogo Fernandes e da condessa Onega Lucides. Mumadona também foi tia do rei Ramiro II de Leão e bisneta de Vímara Peres. Célebre, rica e mulher mais poderosa no Noroeste da península Ibérica, é reconhecida por várias cidades portuguesas devido ao seu registo e ação.
Em 926 Mumadona já estava casada com o conde Hermenegildo Gonçalves, passando, porém, a governar o condado sozinha após o falecimento do seu esposo (c. 928), que a deixou na posse de inúmeros domínios, numa área que coincidia sensivelmente com zonas que integrariam os posteriores condados de Portucale e de Coimbra.
Esses domínios foram divididos em Julho de 950 com os seus seis filhos, vindo Gonçalo I Mendes a ficar com os do condado Portucalense e se tornar o Conde Soberano de Portugal. Nesse momento (950-951), por inspiração piedosa, fundou, na sua herdade de Vimaranes, um mosteiro sob a invocação de São Mamede (Mosteiro de São Mamede ou Mosteiro de Guimarães), onde, mais tarde, professou. Para a proteção deste mosteiro e das suas gentes das incursões dos Normandos, determinou a construção de um castelo (Castelo de Guimarães), à sombra do qual se desenvolveu o burgo de Guimarães, vindo a ser sede da corte dos condes de Portucale. O documento testamentário no qual faz a doação de seus domínios, gado, rendas, objetos de culto e livros religiosos ao mosteiro de Guimarães, datado de 26 de Janeiro de 959, é importante por testemunhar a existência de diversos castelos e povoações na região.
Apesar de não ser a fundadora de Felgueiras, Póvoa de Varzim e Vila do Conde, o seu registo é pioneiro ao incluir pela primeira vez estas terras, que vêem a data do registo como fundação.

Fonte: A Herança Genética de D. Afonso Henriques. Luiz de Mello Vaz de São Payo. Universidade Moderna, 1ª Edição. Porto, 2002

 

 

Voltar